Me Likeia!

25/07/2009

Troca Injusta?



Entrada do meu local de trabalho atualmente.

Sexta-feira, 14 horas, subimos os dez quarteirões que nos separam e fomos para a Administração do Banco conhecer as novas instalações onde a partir de agosto vamos trabalhar. Três homens e eu. Passamos pela seção onde trabalham os colegas da nossa área que já mudaram há muitos anos atrás e eu fui cumprimentando o povo quando encontrei um ex-colega do meu primeiro emprego que não via há 18 anos!

- Ei! Você lembra de mim? Perguntei.

- Claro, lembro! Mas o que você está fazendo aqui?

- Eu trabalho aqui, há 17 anos, mas e você, o que está fazendo aqui?

- Eu estou fazendo um temporário.

Enquanto tínhamos este pequeno diálogo eu fui me afastando. Eu não sei se eu envelheci demais, mudei demais ou o que aconteceu comigo, mas ele olhava para mim como se eu fosse um fantasma! Eu tinha a impressão de que ele ia perguntar a qualquer momento se eu estava realmente viva!

- Então tchau, a gente se vê! Foi o que consegui dizer e fui andando, o olhar dele estava me incomodando. Do outro lado do corredor, parada na sala do meu chefe, virei o rosto e ele ainda continuava me olhando como se fosse impossível que eu estivesse ali.

Fui recolhida pelos meus colegas para irmos ao andar superior onde vai ser minha sala, encontramos um funcionário com quem eu trabalhei há 12 anos atrás em um outro departamento também longe da administração.

- Oi! Você ainda está por aqui? Ele me perguntou com o olhar incrédulo!

- Sim, eu ainda estou por aqui. Tchau! E fui embora.

Subimos as escadas e todo mundo me zoando, afinal parece que na visão deste ex-colega não era mesmo para eu estar ali. Chegando ao novo setor, pegamos o corredor em obras e bem na nossa frente o que vemos?

Um tanque! Um tanque de lavar roupas!





Onde estarei trabalhando a partir de Agosto!



- Marise, achamos a sua sala! É aqui, ficou ótima. E daí para meia hora de gargalhada foi fácil.

Só retornei ao meu setor às 17 horas porque depois de olharmos, palpitarmos, rirmos, dois colegas foram embora e eu fui comer pastel com o Charlinho. Ôlho maior que o estômago, pedimos três pastéis cada. Na primeira mordida o gosto já pareceu estranho. No segundo pastel a gente tinha certeza de que havia alguma coisa errada. Mandamos embalar, eu queria reclamar, mas o Charlinho é gente boa demais para isso, e fomos embora.

Chegando no serviço ele entregou o pacote para o vigilante e avisou, está estragado, mas se você morrer eu e a Marise vamos juntos. E o vigilante comeu!

Subi as escadas e fui levar a planta das novas instalações para o meu chefe ver, coloquei na mesa e fui mostrando para ele, mas ele foi logo dizendo que não entendia nada, já que a planta estava de cabeça pra baixo. Ele olhou, olhou, olhou e concluiu que de uma sala para a outra não tem porta!

Deixei a planta em cima da mesa e falei com ele:

- Vou sofrer lá em casa, porque hoje aqui eu já sofri demais! E fui embora!



(Observação importante, assunto relevante: Porque o Rubinho está tentando matar o Massa? Ok, ok, piada de mau gosto eu sei!)


Que merrrrrda viu! Estou aqui torcendo para que ele se recupere bem e logo! Força na macarronada! Força Massa!

 

Fofocas de Marte! Copyright © 2009 Flower Garden is Designed by Ipietoon for Tadpole's Notez Flower Image by Dapino

Layout by NEIVA